Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CaF PHOTOS

Um blog com fotos e alguns textos a acompanhar

CaF PHOTOS

Um blog com fotos e alguns textos a acompanhar

Desafio: Moedas de outros tempos

IMG_0571.JPG

IMG_0572.JPG

Tenho um conjunto de moedas nacionais e estrangeiras que o meu pai trazia após as suas viagens na Marinha Mercante.

Uma a uma, fui guardando religiosamente e hoje quando olho para elas rememoro esses tempos em que o meu pai estava entre nós.

Não sou numismático, nem coisa que se pareça. Não tenho qualquer noção se estas e outras moedas que por aqui tenho têm algum valor de colecção. No entanto, também não são para vender, posto que são memórias, como já referi, do meu pai.

Se tiverem moedas dos tempos antes do Euro e quiserem partilhar nos vossos blogs, façam o favor. 

Aqui fica o Escudo de 1979, mas tenho mais antigos.

Espólio: CaF Photos

Foto: CaF Photos

 

Mar "rabujo"

IMG_9272.JPG

A "rabiosa" é um termo utilizado pelas comunidades marítimas quando o mar passa de calmo a "mar ruim". 

"Rabiosa" ou "Rabujo", significa, para essas comunidades, um aviso de que o mar não está "certo". Tanto pode melhorar, como piorar.

Para quem vai à praia e não conhece as manias do mar, tenham em atenção quando à borda d'água" o mar se apresenta como está na foto, sinal que está a "puxar".

O assunto dá pano para mangas, não cabendo neste espaço. Talvez um dia aborde aqui alguns termos utilizados pelas comunidades marítimas sobre mar.

Para já fica este momento captado na praia de sul da Nazaré.

O Corvo-marinho

IMG_0090.JPG

Este é o Corvo-marinho-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo).

Este tem o peito branco mas também existem com o peito todo preto.

O Corvo-marinho é uma ave graciosa quando anda na água e um pouco desageitada quando está em terra.

Costumam andar em bando, aguardando que os barcos de pesca cheguem a "porto seguro". Depois, lá vão eles em busca do peixe e por ali andam num frenesim enorme.

Gosto, particularmente, de os observar nessa labuta, mas aprecio mais o momento em que abrem as enormes asas e as expõem ao sol.

https://cafphotos.blogs.sapo.pt/corvo-marinho-de-faces-brancas-51802 

Foto: CaF Photos

 

A Festa do Homem do Mar

IMG_7790.JPG

IMG_7816.JPG

Nas comunidades marítimas a Festa do Homem do Mar representa uma Manifestação ancestral, fruto das tragédias marítimas que, ao longo dos séculos, aconteceram. por isso,

Trata-se de uma Manifestação popular de cariz devocional que se obriga a um conjunto de acções, "representadas no mar", com as embarcações de pesca transportando os Santos e o Padre.  No final, e após as três voltas à enseada, as figuras "encalham" na praia e a missa é celebrada no mesmo espaço. 

Até aqui nada a dizer, porque as premissas dessa devoção secular cumpre com o desígnio de todos quantos têm no mar o seu sustento.

O que não me parece razoável, mesmo nada, sendo descendente desses Homens do Mar, é de uma embarcação cujo proprietário, que se saiba nada percebe de mar, faz rodopiar a sua embarcação de turismo no meio de uma procissão, porque disso se trata.

O respeito pela cultura local, independentemente da origem geográfica que a justifica, deve ser vista com respeito e não como uma oportunidade para alterar, porque disso se tratou, uma procissão que pescadores e os seus familiares presenciam com veneração, respeito e devoção.

O Turismo não vale tudo!!

Fotos: CaF Photos (2022)

A Pedra do Guilhim resiste

IMG_0562.JPG

Aquela pedra que parece divorciada do promontório é a "Pedra do Guilhim".

A mesma que tanto sustenta a calmia do mar, como acolhe as enormes ondas que por ali quebram em dias de temporal.

A Pedra do Guilhuim é um marco. Um marco de uma paisagem tantas e tantas vezes fotografada.

Dizem que é oca por dentro. Que o seu nome está relacionado com um tal de Guilhim, ou Guilham (visivelmente Guillaume), doou el-Rei D. Afonso I, como recompensa, o senhorio da Atouguia. *

Mas a Pedra do Guilhim é um enigma. Um segredo bem guardado, um exemplo da força da natureza perante os devaneios marítimos.

Acima está o Forte de São Miguel Arcanjo, construído em finais da centúria de Quinhentos por indicação de D. Sebastião.

Mas essa é uma outra história.

 

Sobre a Pedra do Guilhim, consulte o nosso blog:

*https://pedradoporto.blogs.sapo.pt/sobre-a-pedra-do-guilhim-31531